NOTÍCIAS

LINHA DE FRENTE: DEFENSORES DE DIREITOS HUMANOS

IMG_5171_campanha

A Campanha Linha de Frente: Defensores de Direitos Humanos é uma iniciativa da Justiça Global, Terra de Direitos e Front Line Defenders e tem como objetivo sensibilizar a opinião pública e o Estado sobre a gravidade da situação em que se encontra uma outra seleção brasileira, formada por onze pessoas que estão com suas vidas em risco e são criminalizados por defenderem direitos garantidos pela Constituição tais como a vida, a liberdade, a moradia, a terra e o meio ambiente.

Nesse momento em que o Brasil estará no foco das atenções de todo o mundo por sediar a Copa do Mundo, a campanha desenvolve uma ação coletiva em defesa desse time que está ameaçado por jogar em favor de um mundo mais justo, livre e democrático para todos.

Defensores de Direitos Humanos são todos os indivíduos, lideranças, ativistas, povos, grupos e comunidades, associações, organizações e movimentos sociais que defendem e promovem os direitos humanos. O papel dos/as defensores/as é de fundamental importância para o fortalecimento da democracia e para a construção de uma cultura de direitos no país.

Para que não se repita com essa seleção de lutadores o triste desfecho de violência de tantos outros casos brasileiros, como Chico Mendes, Irmã Dorothy Stang, que perderam suas vidas por defenderem os direitos humanos, que a campanha convoca a todos a conhecerem um pouco mais sobre suas histórias e a se manifestarem em favor de suas vidas .

Na Campanha Linha de Frente: Defensores de Direitos Humanos é possível encontrar vídeos e fotos produzidos pelo Mídia Ninja, além de textos e informações sobre cada um dos onze casos. Além disso, serão realizadas coletivas com imprensa, manifestações, atividades culturais e debates com os/as defensores nas cidades de São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro e Fortaleza. Acompanhe, participe e divulgue a campanha!

Defenda o direito à vida!

Defenda o direito à livre manifestação!

Apoie a campanha assinando o manifesto!

OS DEFENSORES

Manifesto em apoio aos Defensores/as de Direitos Humanos.

Nós, abaixo assinados, manifestamos nossa preocupação, solidariedade e pedimos providências em relação aos defensores/as de direitos humanos que se encontram em grave situação de ameaça, criminalização e outras formas de ataque.

Os/As defensores/as de direitos humanos, pessoas que, individualmente ou em grupos e movimentos sociais, atuam pela promoção e proteção de direitos humanos, cumprem um papel essencial para o fortalecimento da democracia, do Estado de Direito, do sistema de justiça, o combate à exclusão social e à pobreza. Além disso, contribuem para o avanço de uma cultura de direitos no Brasil.

A partir de 1998 a Organização das Nações Unidas – ONU assumiu o conceito de defensores de direitos humanos e reconheceu a importância de seu trabalho para a promoção de direitos humanos em diversas regiões do mundo. Em assembleia Geral, Resolução 53/144, a ONU aprovou a Declaração dos Direitos e Responsabilidades dos Indivíduos para Promover e proteger os Direitos Humanos e Liberdades Individuais. E, em abril do ano 2000, a Resolução 2000/61 da Comissão de Direitos Humanos da ONU estabeleceu mandato de Representante Especial da Secretaria Geral sobre Defensores de Direitos Humanos. Esses documentos enfatizaram o papel fundamental dos defensores de direitos humanos e criaram meios de monitorar que os governos respeitem e protejam suas ações.

Apesar de toda mobilização da sociedade civil, de o país ter ratificado os principais instrumentos globais e regionais de proteção dos direitos humanos, de ter incluído várias diretrizes na Constituição Federal de 1988 e de ter criado, no âmbito da Secretaria de Direitos Humanos, o Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, em 2005, e instituído a Política Nacional de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, em 2009, muitos são os casos de violações contra esses importantes atores sociais. De maneira geral, pode-se afirmar que as violações cometidas contra os/as defensores/as se exteriorizam através de atentados contra a vida e a integridade pessoal, ameaças e outras ações de hostilidade, violações de domicílio ou outras ingerências arbitrárias ou abusivas, restrições ao acesso à informação, desqualificação moral, prisões arbitrárias, criminalização, racismo, preconceito, espionagem, dentre outras.

O objetivo das campanhas é dar visibilidade a casos de criminalização de defensoras e defensores, chamando a atenção para os processos de coerção e de violação de direitos de comunidades inteiras e suas lideranças, procurando fortalecer a sociedade civil e politizar o debate a respeito da perseguição violenta destes grupos sociais.

Defensores/as de Direitos Humanos participantes das campanhas

Originários de diversas partes do território nacional, com trajetórias de enfrentamento em diferentes temas, todos/as os/as os defensores/as que participam das campanhas são vítimas de graves ameaças e criminalização.

A campanha Linha de Frente relata a história de onze defensoras e defensores de direitos humanos: as recentes violações de direitos em nome da realização de megaeventos no País são relatadas e vivenciadas por Vitor Lira, do Rio de Janeiro. A mãe de maio Débora Silva, de São Paulo, relembra a força e a luta das vítimas de violência policial nas periferias urbanas das cidades brasileiras. As dificuldades e enfrentamentos da luta LGBTT são trazidas à tona por Indianara Siqueira, do Rio de Janeiro, e Márcio Marins, do Paraná. Já a militância do povo Tupinambá pelo reconhecimento de sua identidade indígena e de seu território é narrada a partir da história do Cacique Babau, da Bahia. A resistência quilombola na luta pelo respeito ao território e à herança africana são representadas por Rosivaldo Correia, do Pará, e Rosemeire Santos Silva, da Bahia. Do Mato Grosso do Sul vem a luta Guarani-Kaoiwá pela demarcação de seus territórios, representada na figura do Cacique Ládio Veron. A vulneração dos modos de vida tradicionais de pescadores e ribeirinhos ecoam nas histórias de João do Cumbe, do Ceará. E os conflitos agrários e as violações de direitos sistematicamente vivenciados no campo são contados através dos relatos de Laísa Santos Sampaio e Osvalinda Pereira, do Pará.

Já a campanha Somos Todxs Defensorxs narra história de oito defensoras e defensores de todas as regiões do país: Antonia Melo, do Movimento Xingu Vivo, do Pará; Cacique Ládio Veron, defensor dos direitos dos povos indígenas Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul; Cláudia Fávaro, da Articulação dos Comitês Populares da Copa, de Porto Alegre; Isabela da Cruz, defensora dos direitos das comunidades quilombolas no Paraná; Luiz Ignácio Ferreira – Lula, que atua na luta contra a extermínio da juventude negra no Espírito Santo; Marinalva Santana, que defende os direitos dos grupos LGBT no Piauí; Renato Souto, que atua contra a exploração sexual infantil em Manaus; Thiago Melo, advogado da DDH, do Rio de Janeiro, que atua contra a criminalização das manifestações populares.

Para que não se repita com defensoras e defensores de direitos humanos do país o triste desfecho de violência de tantos outros casos brasileiros, como o de Chico Mendes e o da Irmã Dorothy Stang, que perderam suas vidas por defenderem os direitos ao meio ambiente e os direitos de povos e comunidades da Amazônia, pedimos:

  • Que a política pública para defensores de direitos humanos seja considerada uma prioridade para o país. Entendemos que o Brasil precisa avançar com urgência na transformação do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos em uma política pública de Estado, com marco legal, estrutura, orçamento e institucionalidade adequados.
  • Que as providências do poder público em relação às violações sofridas pelos defensores não fiquem restritas à proteção policial, mas que o Programa possa assumir sua tarefa principal de funcionar como um articulador de políticas públicas estruturais à garantia de direitos humanos e, assim, contribua de fato para a solução das causas das ameaças e criminalizações sofridas pelos defensores de direitos.

Somos todos defensores e estamos na linha de frente!

Plataforma de Direitos Humanos – Dhesca Brasil

Movimento Nacional de Direitos Humanos – MNDH

Justiça Global

Terra de Direitos

Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social

Associação de Advogados de Trabalhadores Rurais da Bahia – AATR

Associação de Apoio à Criança e ao Adolescente – AMENCAR

Centro de Direitos Humanos e Cidadania Ir. Jandira Bettoni – CDH de Lages-SC

Centro de Direitos Humanos João Bosco Burnier

Coletivo Catarina de Advocacia Popular

Coletivo Feminino Plural

Coletivo Nigéria – comunicação e audiovisual

Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo (CDHPF)

Comitê Latino Americano e do Caribe em Defesa dos Direitos das Mulheres – CLADEM – Brasil

Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT/RJ

MNDH-SC

Rede Mulheres Negras – PR

Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos

Realização

Front Line Defenders
Justiça Global
Terra de Direitos

Produção Audiovisual

Apoio

logoNinja
logoSida
logoIrish
logoOpen
logoBrot
logoUE

Visite as páginas da campanha nas redes sociais

Linha de Frente no Facebook
Linha de Frente no YouTube