CACIQUE LÁDIO VERON

Liderança Guarani-Kaiowá da Aldeia Takwara. Juti, MS.

Cacique Ládio Veron

Os Guarani Kaiowás são um povo indígena localizado no atual estado do Mato Grosso do Sul, e que luta pelo direito à vida digna e por suas terras ancestrais. Depois de mais de cinco séculos eles continuam sendo assassinados por resistir as condições precárias de existência, confinados em pequenos espaços de suas terras tradicionais. O povo luta pela demarcação de suas terras e fazem a retomada dos territórios de onde foram expulsos pelo agronegócio e pela omissão do Estado brasileiro.

O cacique Guarani Kaiowá Ládio Verón, da tribo Taquara, em Juti (MS), é exemplo da luta indígena no Brasil. Filho do líder Marcos Verón, que foi assassinado em 2003 por jagunços, Ládio Veron, filho mais velho do cacique assassinado, sofreu espancamentos, tortura e ameaças  de atearem  fogo em seu corpo pelo grupo que vitimou Marcos Verón, tendo sido amarrado e jogado na carroceria de uma caminhonete, juntamente  com seu pai, agonizante.

Ládio também recebe ameaças de morte por conta das retomadas de terra  e da sua atuação como liderança do seu povo e junto com eles foi incluído no Programa federal de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH) em 2011.

“A gente vem sofrendo ameaça pelo telefone. Para a gente sair da aldeia, tem que botar bastante coisa para disfarçar. Tenho que sair com carro oficial da Funai para chegar até Dourados (município do MS). A gente não vai temer, vai lutar. Se me matarem vão ter outras lideranças.”

Nos últimos anos, os povos Guarani Kaiowá iniciaram o processo de retomada pacífica das suas terras tradicionais, o que lhes custou, em menos de uma década, a vida de mais de 270 lideranças no Mato Grosso do Sul ceifadas por pistoleiros, a mando dos latifundiários. Este é um processo histórico de genocídio e etnocídio que vem ocorrendo há mais de 500 anos. Além do número de assassinatos, há também o alto índice de suicídio entre esta população. Entre os anos 2000 e 2012, houve 611 casos de suicídio no estado de Mato Grosso do Sul dos povos Guarani Kaiowá. Dos casos de suicídio entre indígenas ocorridos no Brasil, entre os anos 2003 e 2010, 83% destes aconteceram no Mato Grosso do Sul, apesar deste estado concentrar menos de 10% da população indígena do país.

Atualmente, mais de 100 indígenas Kaiowá Guarani estão nas prisões no Estado. O confinamento, que teve início no século passado e chega hoje ao extremo, com mais de 40 mil Kaiowá Guarani vivendo em aproximadamente 20 mil hectares de terra, tem gerado a pior situação do Brasil em termos de negação de direitos humanos fundamentais.